segunda-feira, 22 de março de 2010

Comportamentos/Desenvolvimento Pessoal

Comportamentos?!
(Desenvolvimento Pessoal)

Estamos numa fase de grandes e rápidas mudanças em todo o mundo, em termos Tecnológicos, Científicos, Económicos, Sociais, Naturais e Humanos.

No nosso dia a dia, vemos, lemos e ouvimos muitas notícias sobre mudanças, mudanças, mudanças… mas será que paramos para pensar quem faz, quem contribui para essas mudanças, para esses acontecimentos?

… serão todas essas mudanças boas, recomendáveis, construtivas para um futuro melhor, para a humanidade? Para nós e para as gerações do futuro?

Muitas das notícias que nos chegam, com as quais ficamos tristes, abalados, nervosos, em pânico e até com medo, não seriam evitáveis? E se todos nós tivéssemos Comportamentos e atitudes ponderadas, se pensássemos nas consequências que podemos provocar, antes de agir, não reduziríamos esses acontecimentos trágicos e tristes?

Podemos ter muitas ferramentas tecnológicas novas, o que é excelente, são sinal de evolução da condição humana, de inovação, de criatividade e de empreendedorismo. Também aqui, graças a quem é que elas aparecem? Ao Ser Humano, não é!

Sempre que possível é bom pararmos e reflectirmos.

De facto, podem-se inventar, criar, construir um sem número de equipamentos, que nos deslumbram ou até nos assusta. No caso dos robots por exemplo, alguns possuem tal grau de sofisticação, que QUASE PARECE substituírem o indivíduo. Em algumas actividades até substituem; em mão-de-obra, na produção em série, etc e aí os operários são substituídos por robots – o que os assusta e muitos perdem os seus empregos. Contudo, ainda nada substitui o SER HUMANO ao nível da Reprodução, do Pensamento, da Comunicação e muito especialmente das Emoções .

O ser humano tem capacidades espectaculares, extraordinárias mesmo. Se nós QUISEREMOS, nós dominamos os nossos impulsos repentinos (bons e menos bons). Em termos comportamentais, não temos que reagir a provocações ou a situações do nosso receptor! Que tal termos uma atitude inteligente, sermos tolerantes ou, por outras palavras, reagir de forma assertiva? Experimentem.

Ao termos uma atitude serena, calma perante uma situação conflituosa e quando as coisas acalmarem conversar e manifestarmos a nossa opinião educadamente, fazemos com que a outra pessoa, que não espera essa nossa capacidade, também ela vá mudar o tom de voz, a linguagem e até pedir desculpa! (não dói pedir desculpa!)

Muitas vezes, ouvimos dizer que as pessoas se comportam de forma menos correcta devido à educação que receberam, que têm. Claro que a educação é muito importante para a construção da nossa personalidade e ao longo da nossa vida e, vai-se reflectir directamente nos nossos comportamentos. Também os valores que recebemos nos primeiros anos de vida, as crenças que fomos assimilando, contam e nos influenciam. Contudo, o Comportamento Humano não nasce connosco.

Por isso, quando nos apercebemos que o nosso comportamento não está a ser correcto podemos e devemos perfeitamente mudá-lo. Leva algum tempo? sim leva, as mudanças levam sempre algum tempo, precisamos de nos adaptar, de ter paciência, de experimentar fazer diferente, mas é possível mudar Comportamentos, acreditem. Garanto-vos que é verdade, por experiência própria, com vários grupos de trabalho. Experimentem, pratiquem, adiram à mudança, marquem a diferença pela positiva, sejam uma referência para o Mundo, surpreendam-se e Brilhem!

No sentido de percebermos melhor o tema que vos trouxe, importa vermos duas definições de Comportamento Humano. Segundo a Wikipédia - – A enciclopédia Livre, Março 2010, comportamento humano “é a expressão da acção manifestada pelo resultado da interacção de diversos factores internos e externos que vivemos, tais como: personalidade, cultura, expectativas, papéis sociais e experiências”,. Já o dicionário da língua portuguesa define Comportamento como a “maneira de se comportar; procedimento moral” [Porto Editora, 6ª Edição], ou seja, a nossa Conduta e Procedimento [Dicionário de Sinónimos da Porto Editora, 2ª Edição], atitude como acção, mesmo que apenas expressiva e/ou gestual.

Estudar e compreendermos o comportamento do ser humano, tem como objectivo ajudar a entender as acções realizadas pelas pessoas em determinadas situações. Bem como, os motivos que condicionam, que levam a tais acções, e todas as possíveis alterações que o meio e as relações sociais e interpessoais, ao longo da vida, proporcionam a cada indivíduo. Cada vez mais se faz investigação sobre esta área, nomeadamente a “Psicologia Social - é a ciência que procura compreender os “como” e os “porquê” do comportamento social. A interacção social, a interdependência entre os indivíduos e o encontro social. O seu campo de actuação é portanto o comportamento analisado em todos os contextos do processo de influência social [Wikipédia – A enciclopédia Livre, Março 2010].

Como já referi, o nosso Comportamento não é algo com que nascemos, nós criamos o nosso próprio comportamento e podemos utilizá-lo para termos excelentes relações com o Mundo; nas Escolas/Universidades, no seu todo (com os Professores, com os colegas em geral, com a nossa turma, com o nosso grupo/equipa de desporto), em casa com a família, com os amigos, na rua, no autocarro, no trabalho com os colegas e com as chefias, ou seja em todas as relações interpessoais que praticamos espontaneamente ou não na sociedade em geral.

Se praticarmos atitudes e comportamentos, de forma inadequada, negativa, conflituosa, será um mau comportamento ou incorrecto e pode levar a situações muito complicadas. Há pessoas que devido ao comportamento de colegas, da família ou outrem adoecem psicologicamente. Não conseguem suportar o mau comportamento do (s) outro(s), comunicar, pedir ajuda, sentem a sua auto-estima desvanecer, ou seja, perdem o amor-próprio, deixam de gostar delas e não recuperam. Algumas podem mesmo chegar a situações extremas, devido a agressividade verbal e ou física que sofrem, outras são presas, outras ainda, em situação de desespero praticam o suicídio, como aconteceu há pouco com um aluno!
Existe um filme, muito antigo cujo nome original era “olhares que matam”, foi adaptado para Formação Comportamental e Desenvolvimento Pessoal (conhecermo-nos melhor a nós próprios). Podem encontrar esse filme em
http://www.youtube.com/watch?v=hT8kqWA7Ty4,
com a designação “If Looks Could Kill - O Poder do comportamento”, recomendo vivamente a todas as pessoas que tenham possibilidade de aceder (tem 3 partes). Após verem este filme sugiro que parem um pouco, reflictam e perguntem-se:
• Afinal, quem gosta de ser mal tratado?
• Quem gosta que riam da nossa cara?
• Quem gosta de ser ignorado?
• Quem gosta de ser agredido verbal ou fisicamente?

Porque não ouvimos primeiro as pessoas (escuta activa), até ao fim da sua mensagem = comunicação e só depois respondemos, damos a nossa opinião? As situações de conflito, de mal entendidos, de “diz que disse” tiram-nos energia e tempo para sorrir, para nos divertirmos, para trabalharmos, estudarmos, atingirmos os nossos objectivos.

Então, dirão como fazer quando alguém me responde de forma agressiva, ou seja, quando tem uma atitude, comportamento que me magoa, que me surpreende pela negativa?

Que tal aderir à tal mudança? Não é só “o outro” que tem de mudar, a mudança começa em cada um de nós. Depois? Depois vão praticando e vão constatar que Comportamento gera Comportamento. Ou seja, se eu for mal-educada/o com alguém eu estou a fazer com que essa pessoa provavelmente também seja comigo, então se eu for educado, der o exemplo de bom comportamento o meu receptor vai ser bem-educado/a comigo.

Há excepções? Há. Se mesmo eu sendo assertivo, educado, a outra pessoa continuar a não perceber a mensagem = comunicação eu não devo desistir, mas sim persistir em ser educado, em ouvir, ouvir, ouvir até que a outra pessoa desiste! Comportando-me assim eu não estou a ser inferior, nem “coitadinho” mas sim inteligente, uma referência comportamental.

Vou partilhar convosco uma “estórinha” que li há pouco num livro: um menino perguntava a um Senhor de muita idade e considerado sábio lá na aldeia “como consegue ser uma pessoa tão calma, simples, tão serena e usar uma linguagem, vocabulário tão simples se sabe tanto? O Senhor, sábio, respondeu-lhe: nem tu imaginas o quanto me custou aprender a ser simples.” Conhecem o provérbio “só sei que nada sei” do Sábio Sócrates?! não conhecem?! Pois é, é preciso trabalhar muito para se ter uma profissão, uma especialidade, um emprego, para aprender a aprender, e por vezes chegamos a uma altura em que descobrimos que afinal como não nos conhecemos a nós próprios temos dificuldade em conhecer as outras pessoas e em saber lidar com as mais diversas situações da vida. Bem, como em sermos simples, curioso não é?

A título de conclusão deixo-vos uma série de itens que nos alertam que vale a pena ter cuidado com os nossos comportamentos, pensar antes de agir, medir consequências, pois os Comportamentos Positivos facilitam todas as áreas da nossa vida:

- Os Comportamentos suscitam e incentivam a colaboração;
- Os Comportamentos constroem a confiança nas pessoas de uma instituição, de uma empresa, de uma família, de uma equipa, uma turma ou grupo;
- Os Comportamentos facilitam um bom relacionamento;
- Os Comportamentos facilitam a mudança;
- Os Comportamentos ajudam na resolução de conflitos, zangas, embirrações;
- Os Comportamentos facilitam a comunicação;
- Os Comportamentos aumentam o sentido de responsabilidade;
- Os Comportamentos aumentam a partilha de informação;
Os Comportamentos Errados só complicam a vida de cada um de nós e o Mundo.
Deixo-vos com uma reflexão:

Será que tudo isto não tem a ver com a forma como Comunicamos?

Sorriam e Até breve!

Margarida Rebelo

3 comentários:

  1. Anónimo22.3.10

    Dá que pensar sim. Obg pela sua partilha.

    ResponderEliminar
  2. Gostei! Uma perspectiva interessante e enriquecedora.

    ResponderEliminar
  3. Devemos pensar nisso sim e partilhar!

    ResponderEliminar

Bem Vindos ao meus espaço!
Vou estar mais atentar e fazer mais partilhas. Gostaria muito de contar com a vossa participação e partilha dos temas mais diversificados nas áreas mencionadas.